Agostinha Monteiro: A professora apaixonada pela profissão

Em tudo o que me meto, entro com o coração aberto e entrego a minha alma”

Nascida em 1978 na freguesia de Lustosa, Agostinha de Lurdes Ribeiro Monteiro, é apaixonada pela vida. Licenciou-se em Matemática e Ciências da Natureza, tendo cumprido o seu grande sonho: ser professora. Possui uma larga experiência em dotar as crianças de afeto e sabedoria. Para mais, é uma cidadã bastante ativa a nível social e político. Conheça a sua história envolvida ao redor dos desafios.

“A minha infância foi muito feliz”, inicia Agostinha. Este adjetivo é recorrente em todas as fases da sua vida, inclusive, no momento. O brincar com os colegas na rua à tarde depois das aulas é relembrado com saudades. Aliás, no momento em que refere a escola fala da sua professora da primária, Adriana, que serviu de exemplo e inspiração para a lousadense seguir a mesma área.

A liberdade de outrora era outra, porém, continua a tê-la mesmo sendo uma mulher casada com um filho. Nada invalida que possa ter o seu espaço na comunidade e os seus momentos para que esteja realizada na plenitude.

Foto de criança com a irmã

Em Lustosa frequentou a escola primária de 1984 a 1988, tendo prosseguido os estudos até ao final do ensino secundário em Caldas de Vizela devido à proximidade e facilidade de transporte. Terminado este último em 1996, ingressou no ensino superior na Licenciatura de Matemática e Ciências da Natureza. Em 2000 concluiu com sucesso, cumprindo o seu grande desejo: ser professora e dedicar a sua vida às crianças.

A sua paixão ao falar na sua profissão é algo que não tem explicação, aliás, não são ao acaso as demonstrações de afeto habituais das crianças para com esta e vice-versa. “Adoro contribuir para o desenvolvimento pessoal dos meus meninos”, realça manifestando o carinho no tratamento.

O seu tempo como docente foi passado por várias escolas dos 1º e 2º ciclos. Iniciou o trajeto em Barcelos e depois percorreu inúmeras terras até ficar efetiva: Famalicão, Codessos, São Pedro da Raimonda, Sanfins de Ferreira, Taipas e Madeira. Neste arquipélago lecionou no 1º ciclo em São Roque do Faial, Santana, onde obteve a colocação no lugar de quadro.

Questionada acerca da experiência de ir trabalhar para a Madeira, a professora declara que “no início não foi fácil” pois deu-se no ano em que casou. Contudo, a sorte assistiu-lhe e o seu marido também foi para que a aventura fosse vivida a dois. “Em lua de mel dirigimo-nos à secretaria regional e acabamos por ser colocados no mesmo concelho”, conta.

Desde então, há vários anos que se encontra a trabalhar no Agrupamento de Escolas Dr. Mário Fonseca. Desde 2018, exerce funções de coordenadora da Escola Básica de Lustosa. Além disso, é professora de apoio educativo e de ensino coadjuvado. Também é a responsável pela formação e dinamização do clube de ciência-viva da escola.

Quando terminou a licenciatura, houve anos letivos em que era colocada no 1º ciclo e outros no 2º ciclo. Todavia, ficou vinculada no 1º ciclo.

A lousadense está na Escola Básica de Lustosa há 8 anos seguidos, embora já tenha trabalhado antes nesta. Iniciou como professora e levou a sua turma do 1º ano ao 3º ano, mas não deu continuidade pois, devido ao concurso nacional, a anterior coordenadora da escola foi colocada noutro agrupamento. Dadas as circunstâncias e os inúmeros pedidos, aceitou o lugar. “No início não almejei porque queria levar a minha turma até ao fim, contudo não estou arrependida”, sublinha.

Agostinha e a sua equipa da Escola Básica de Lustosa

As saudades de dar aulas não se manifestam, na medida em que todos os dias dá aulas. Dá ensino coadjuvado com os professores e, neste momento, encontra-se também a lecionar competências digitais a quase todas as turmas. No fundo, agora todos os meninos também são seus para sua alegria.

A ligação estabelecida é muito próxima e forte e, neste sentido, todos os dias vai trabalhar com muita alegria. Ensinar-lhes e dar-lhes o seu melhor é a sua paixão, procurando sempre incutir o sentido de responsabilidade e antecipá-las para o futuro.

“Gosto muito do que faço, sou completamente realizada e apaixonada pela minha profissão”, afirma. No entanto, estes laços intensos não são apenas com as crianças como também com toda a sua equipa. Para a lousadense, as funcionárias e os seus colegas são o seu porto seguro e alento nos dias~menos bons. Aliás, rege-se sempre na base da amizade e não da autoridade. “Sou mais uma no meio deles”, salienta.

A sua forma de gerir é colaborando tanto com a equipa docente como não docente. “Sou muito aberta e todos sabem que se necessitarem têm uma amiga e vice-versa.”, conta. Esta relação é também estabelecida com todos os encarregados de educação, o que facilita que tudo funcione da melhor maneira e que os projetos sejam bem conseguidos.

A sua função não passa só pela escola. Como coordenadora estabeleceu uma relação muito próxima com os alunos, encarregados de educação, docentes e não docentes e procura sempre que a escola dinamize atividades para toda a comunidade educativa, lustosense e arredores. E tal sucede-se dada a sua paixão pela área social, nomeadamente, a cultura e as tradições que considera um dever cívico da sociedade. “Para haver evolução temos de ser civicamente ativos”, reforça

Desde muito cedo dedicou-se à sua freguesia, Lustosa, e foi catequista durante vários anos. Além disso, fez parte de vários grupos de angariação de fundos para as obras da paróquia. Em 2009, como mãe, fundou a Associação de Pais e Encarregados de Educação do extinto Jardim de Infância de Penas. No ano seguinte, aquando da construção da Escola Básica de Lustosa, também fundou a Associação de Pais e Encarregados de Educação da mesma onde foi presidente durante dois anos.

Corria o ano de 2013, quando ingressou nas fileiras do Partido Social Democrata (PSD). A sua paixão pela política foi surgindo, na medida em que queria ajudar muito os outros e a única forma de intervir a esse nível era através da política.

“Não sou uma política nata”, sublinha. No entanto, faz parte de várias associações. Pertence à comissão política e às MSD, Mulheres Sociais Democratas. Com a agregação de freguesias fez parte da lista PSD-CDS-PP que concorreu e venceu as eleições para a Junta de Freguesia de Lustosa e Barrosas (Santo Estêvão) onde exerceu funções de tesoureira até 2017. Após quatro anos no executivo, por questões privadas saiu. “Lembro-me com saudades dessa passagem”, afirma.

Eu 2019 fez parte da Comissão de Festas em Honra de São Gonçalo na função de secretária. Esta era formada só por mulheres e, segundo a própria, fizeram umas festas inesquecíveis em

Candidatura à junta de freguesia de Lustosa e Barrosas STº Estevão

Lustosa. Ainda no mesmo ano, foi uma das poucas mulheres a participar na fundação da InovLousada (Cooperativa para o Desenvolvimento Económico, Inovação Social e Promoção Turística e Cultural do Concelho de Lousada), aceitando o convite para fazer parte dos órgãos sociais da mesa da assembleia geral. “É importante para o concelho porque é um projeto inovador e promotor de várias atividades enriquecedoras”, realça acerca desta.

Em 2020 foi convidada pelo Dr. Leonel Vieira para fazer parte da Comissão de Festas em Honra do Senhor dos Aflitos. “Surgiu a pandemia, mas mantivemo-nos todos unidos e este ano proporcionamos as grandes festas que aliaram as tradições às inovações”, salienta. Recentemente, foi novamente convidada a integrar a mesma comissão para 2023 pelo Dr. Filipe Costa.

Amante de novos desafios, a professora considera que se a sua vida sem estes não tem graça pois estimulam-na e dão-lhe adrenalina. “Em tudo o que me meto, entro com o coração aberto e entrego a minha alma”, reforça. A sua família apoia-a em tudo e, apesar de alguns receios naturais no abraçar de alguns projetos, são os primeiros a incentivar a lousadense.

Foto com os pais

“Prezo muito a família, os amigos e as pessoas com quem trabalho. São o verdadeiro pilar da minha vida”, realça. Posto isto, os seus tempos livres são passados com o seu marido e o seu filho Gonçalo, a fazer caminhadas, a jantar com amigos, entre tantas outras coisas que não dispensa.

Batizado do filho Gonçalo Bessa

A amiga do seu amigo não deixa ninguém na mão e gosta de fazer aos outros o que gostaria que fizessem consigo. “Tenho brio em ser lustosense e lousadense”, conclui com orgulho nas suas origens.

2 Comments

  1. Gabriela Coelho

    Adorei espero que seja sempre feliz, e é uma grande amiga adoro a muito como amiga.

    Reply
  2. Vânia

    É sem dúvida uma mulher de armas sempre com um sorriso e boa disposição.

    Reply

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Siga-nos nas redes sociais