by | Dez 6, 2022 | Cultura, LouzaRock | 0 comments

NEEDLE FISH – o rock do alto Mesio

Na viragem para o novo milénio, apareceu uma banda em Sousela, que causou impacto. Um grupo de adolescentes, com média de idade a rondar os 16 anos, juntou-se numa banda que batizaram com o curioso nome Needle Fish.

“Eu tinha 15 anos quando fui para a escola de música e de seguida, como os amigos moravam relativamente perto uns dos outros e nas férias da escola não tínhamos para onde ir, eles seguiram-me para as aulas de música do José Pacheco, em Figueiró. De repente tínhamos, guitarrista, baixista, pianista, baterista e vocalista. Conseguimos uma garagem para ensaiar . Cantávamos as janeiras para comprar os primeiros instrumentos, os materiais e equipamentos de som”, resume Ernesto Gonçalves, um dos fundadores da banda.

Inicialmente, no microfone esteve o vocalista Vítor Carneiro “Tó”, filho do fadista Ribeiro, de Moreira (Sousela); o baixo foi entregue a Filipe “Sapo”; a bateria ficou para Carlos Veiga e a guitarra estava nas mãos de Ernesto Gonçalves, que foi o catalisador do arranque e que viria a ser figura importante do ensino do rock naquela localidade e arredores. As influências musicais de Ernesto remontam à infância: “O primeiro concerto dos Boca Mansa, tinha eu 10 anos, foi no primeiro café da minha família; e os primeiros grupos de rock de Lousada e Freamunde dos anos 70 e 80 tinham pessoas próximas do meu pai.”

A banda durou cerca de 4 anos. “Foi um projeto que acompanhou-me desde os 15 até aos 19 anos. Éramos todos mais ou menos da mesma idade. Needle Fish (peixe agulha) era o nome que usávamos como código, para fumar os primeiros cigarros. Além de ser o nome usado por outras pessoas da idade dos nossos pais para fumar os charritos deles, adotamos por ser engraçado e arriscado também”, descreve Ernesto Gonçalves.

A tropa, que na altura ainda era obrigatória e o futebol fizeram desistências: Carlos Veiga e Tó Carneiro saíram da banda. O vocalista passou a ser Ernesto e a bateria foi entregue a um novo elemento, Frederico Campos “Fred”. Quem também entrou foi Bruno Fernandes “Mez”, de 15 anos, para guitarra solo, o qual veio a ser um músico experimental e progressista com amplo currículo musical.

Desde festas de anos e de Natal ou passagem de ano a festas de paróquia e concertos em bares, qualquer local minimamente aceitável era aceite para um concerto dos Needle Fish: “íamos a todas, pois o que nós queríamos era tocar e em média fazíamos cerca de 20 concertos por ano”.

Além de alguns temas originais, os Needle Fish tocavam músicas de Xutos & Pontapés, Nirvana, Metallica, System of a Down, Quinta do Bill, Korn, etc.

O primeiro local de ensaios foi uma garagem da casa do baixista, Filipe Teles. Mais tarde, a banda mudou-se para um balneário da CRACS – Coletividade Recreativa e de Ação Cultural de Sousela, e ali haveria de terminar, com os integrantes da banda a seguir rumos diferentes.

Ernesto foi convidado para os The bloom (com 19 anos de idade) uma banda de Figueiras (Lousada) e Freamunde, da área do pop-rock e do jazz-rock, que obteve notoriedade local e regional. Bruno Mez seguiu uma linha musical mais progressiva e experimental dentro do rock. Que se saiba, estes dois músicos foram os únicos a manter-se em atividade regular, embora Vítor Carneiro também tenha continuado a tocar guitarra, sobretudo em projetos corais e teatrais.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

À Maneira de Andreia Moreira

A paralisia cerebral foi-lhe diagnosticada. Vinte e oito anos depois, Andreia Moreira, é psicóloga...

Pedido de desculpa: Marcos Ferreira

O meu nome é Marcos Rafael Sousa Ferreira, sou Lousadense, casado, pai de uma criança com 16 meses...

Nota de Imprensa: Recandidatura de Ana Leal Moreira à Presidência da JSD Lousada

“Passado, Presente, Lousada.” Sou recandidata à Presidência da JSD Lousada. A maior e melhor...

Custou mais de 700 mil euros e divide opiniões: Central de Autocarros está encerrada

Está encerrada a construção de um dos empreendimentos mais falados da atualidade, a Central de...

Luís Machado: O cantor popular

Luís Paulo da Silva Machado Pacheco, com 51 anos, nasceu e cresceu em Pias. Desde cedo, começou a...

O 6º aniversário do Moto Clube Senhora Aparecida 

O Presidente, Pedro Rodrigues, e o Presidente da Assembleia, João Carvalho concederam  uma...

Falecimento de Paulo Afonso da Cunha (Carvalheiras)

Faleceu hoje, com 93 anos, antigo vereador da Câmara Municipal de Lousada, fundador da Associação...

Um dos serviços mais antigos de Lousada: Táxis vivem tempos de incerteza

A praça de táxis lousadense é composta por 11 automóveis, divididos por dois locais: cinco na Rua...

Masters da Associação Desportiva de Lousada:  Os Campeões de Série

Antero Correia, o diretor dos Masters, Pedro Leal, o treinador dos Masters e Hélder Nunes, o...

Editorial da edição 89º de 19 de janeiro de 2023

Lousada, terra amada! O jornal O Louzadense é, já, património da história local. A maturidade...

Siga-nos nas redes sociais