Artur Ferreira: O cidadão preocupado com o próximo

Com 59 anos, Artur Ferreira nasceu em Macieira, mas em tenra idade mudou-se de malas e bagagens para Nogueira onde permanece até aos dias de hoje. Trabalhar com e para o ser humano é a sua verdadeira paixão, sendo enfermeiro especialista. A saúde mental e a psiquiatria são as vertentes que mais gosta e na qual se encontra há vários anos no Hospital Padre Américo – Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa. Além disso, foi presidente durante 21 anos do Rancho Folclórico de Nogueira, tendo executado o cargo com bastante êxito e orgulho.

Artur Ferreira é natural de Macieira, porém, aos 13 anos de idade mudou-se para Nogueira onde se encontra há 46 anos. Nesta primeira, frequentou o primeiro e segundo ciclo. Após a mudança, foi estudar para o Seminário do Bom Pastor em Ermesinde, tendo concluído o terceiro ciclo. 

Após a saída do seminário foi estudar para o Colégio São Gonçalo em Amarante e durante este período da sua vida desempenhou funções como catequista e elemento (teclas) de um grupo de música rock: Delta 7. 

Como catequista apenas manteve-se durante 1 ano, mas como elemento do grupo manteve-se 3 anos. Este foi financiado pelo Sr. Padre Correia, na medida em que quatro integrantes tinham andado a estudar no seminário, incluindo o lousadense. Ao todo faziam parte 7 pessoas, originando a designação. Neste espaço de tempo, a banda fez diversas atuações dentro e fora do concelho. 

“A maior atuação que tivemos foi em Felgueiras na abertura do concerto dos UHF, um grupo de  grande sucesso, onde fomos a banda suporte. Sem dúvida, que a nível de público a assistir e a nível de projeção não tivemos outra igual”, conta. 

Na época, todos os constituintes iniciaram aos 16 anos de idade e quando fizeram o 12º ano começaram a perspetivar outros horizontes. “A maior parte de nós pensou em concorrer às universidades”, sublinha. Assim foi, porém, a decisão acarretou que cada um fosse para seu lado. 

Naturalmente, o grupo acabou mas ficou as boas memórias. “A experiência foi indescritível”, afirma. O hobbie de Artur não ficou apenas pela música, visto que foi atleta das camadas jovens da Associação Desportiva de Lousada, dos iniciados aos juniores. Todavia, estes terminaram e deram lugar ao curso de enfermagem. 

Em 1983, a enfermagem era um curso médio ao contrário de hoje em dia. O 1º ano fê-lo no hospital de São João, contudo ao fim deste pediu transferência para Vila Real onde terminou o 2º e 3º ano. 

Da passagem pelo São João, segundo o próprio, fica a camaradagem com os colegas pois o relacionamento com os professores estava aquém das expectativas e, por essa razão, mudou-se. “Eram professores de idade avançada, de outros tempos, com um regime muito austero”, salienta. Em Vila Real o relacionamento estabelecido entre professores e alunos era de respeito e ajuda. 

“Já enfermeiro, comecei a trabalhar no antigo Hospital Padre Américo, em Paredes, onde desempenhei funções no serviço de medicina homens”, afirma. Todavia, não gostou do ambiente e dada a possibilidade escolheu outra entidade para trabalhar. Ao fim de 1 mês foi para o Hospital de Travanca para a vertente da psiquiatria e, passado dois anos, concorreu à especialidade. 

A especialidade escolhida recaiu em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica e, durante o período da mesma, a enfermagem transitou de curso médio para curso superior e passou a ser de 4 anos. Posto isto, Artur após concluir a especialidade foi para Vila Real para completar o 4º ano. 

“Estive no Hospital de Travanca a tempo inteiro durante 15 anos até ao encerramento do mesmo”, afirma. Contudo, quando foi para este começou também a trabalhar no Hospital de Amarante em regime de acumulação no serviço de medicina, cirurgia e ortopedia – homens, tendo após uma reformulação orgânica passado só a trabalhar em medicina. 

O Hospital de Travanca fechou e ficou no internamento de agudos em Amarante. Entretanto, em 2001 o Hospital de Penafiel abriu ao público e o enfermeiro diretor deste entrou em contacto com o lousadense para solicitar-lhe ajuda. “Pediu para ajudar a colocar o serviço da psiquiatria em funcionamento, visto que já tinha experiência”, reforça. O contrato previsto de seis meses prolongou-se até aos dias de hoje, porém, durante 6 anos foi em regime de acumulação visto conciliar atividade com o Hospital de Amarante. 

Pelo meio ocorreu a junção do Hospital de Penafiel e Amarante criando o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa e, desta forma, não podia permanecer em ambos e ficou em Penafiel na área da psiquiatria a tempo inteiro. 

“O serviço de psiquiatria no internamento é o que mais gosto na esfera de todas as áreas da enfermagem”, afirma. O enfermeiro prima pela boa relação com os doentes e jamais se imaginaria noutra situação a não ser a referida, embora durante 8 anos tenha desempenhado funções de chefia. 

“Eu nunca vivi para o estatuto”, sublinha. A parte burocrática nunca o cativou e, como mencionado, é a tratar dos doentes que encontra a sua felicidade. 

Relativamente à parte social, durante 2 anos foi presidente da assembleia geral da Associação de Pais da EB/2/3 de Lousada e foi também durante 21 anos presidente do Rancho Folclórico de Nogueira. “Estava a ajudar nas obras de construção da minha casa quando me apareceram dois diretores do rancho e me propuseram a função de presidente. Eu nunca tinha visto uma atuação, eu não gostava do gênero de música e interroguei o porquê de se terem lembrado de mim. Na altura, disseram-me que o falecido Sr. Silva tinha indicado o meu nome”, explica acerca do começo. 

Inicialmente, disse que não, mas a pressão dos membros foi tanta que na semana seguinte ao pedido foi a uma reunião. Nesta, após ouvir os desejos e projetos da associação, afirmou que ficaria 1 ano à experiência e ajudaria em tudo. 

“Tem que se ter consciência que para se ir é preciso ajudar e fazer com que as coisas evoluam pois, caso contrário, não vale a pena”, declara. 

Passado 15 dias, no magusto, foi apresentado como presidente na garagem do Zé Ventuzelos. Nesta, de acordo com o próprio, fazia-se tudo. No início do ano seguinte, foi cantar as janeiras como já era habitual e o dinheiro conseguido duplicou em relação ao ano anterior. “Trabalhou-se de maneira diferente”, salienta. 

Naturalmente, começou a entender a arte do folclore e envolveu-se de tal forma que o sonho da associação passou a ser o seu. O grande sonho desta era construir uma sede num terreno próprio e passado 1 ano de lá estar, Artur já tinha conseguido arranjar o terreno. 

Fizeram o projeto com a ajuda da Câmara Municipal de Lousada e, posteriormente, deram início às obras. A construção demorou 15 anos e ficou marcada por 3 fases: grosso; paredes exteriores; cobertura e acabamentos. Naturalmente, só faziam trabalho quando havia dinheiro e o lousadense enaltece a ajuda preciosa da CML, da Junta de Freguesia de Nogueira e das pessoas amigas que sempre ajudaram com o seu contributo monetário. 

“Fizemos os exteriores de vedação dos terrenos, ou seja, os muros a troco de feijoadas”, sublinha. Todos os anos, no dia 1 de maio, os diretores, os amigos e os vizinhos iam às 8h da manhã até às 13h para construir os muros. O lousadense pedia o material  necessário à CML e, durante alguns anos, a tradição manteve-se até tudo estar concluído. No final do trabalho o almoço era uma feijoada. 

Equipa na construção dos muros de vedação do terreno

Muito trabalho foi feito em regime de voluntariado pelos diretores e amigos e, de acordo com o próprio, tal é motivo de orgulho. Ao fim de alguns anos, as janeiras deixaram de render tanto devido às conjunturas econômicas e arranjaram uma outra fonte de receita. “O rancho começou a fazer jantares para grupos. Inicialmente, foi bastante complicado, mas apanhou-se o ritmo”, conta evidenciado que chegaram a fazer jantares para grupos de 400 pessoas.

Em 2017, ao fim de 21 anos, o enfermeiro decidiu sair pois considerou que era a altura certa. “As associações ficam e as pessoas passam”, afirma. Desde então, regressou à sua vida anônima e simples. 

“Voltei a estar a 100% para a minha família pois quando se está num projeto tanto tempo acaba-se por abdicar de muitas coisas”, realça. Atualmente, está totalmente dedicado ao seu núcleo familiar: filha, mãe, mulher, netos e genro. Conforme o ditado popular diz, por trás de um grande homem está sempre uma grande mulher e Artur Ferreira tem a sorte de ter três junto a si.

Com a esposa, a provar as sardinhas para a desfolhada

1 Comment

  1. Daniela Ferreira

    Grande senhor e Amigo de todas as Horas.
    Tive um enorme prazer em fazer parte do rancho folclórico de Nogueira e das obras do mesmo.
    Era tudo família e sem dúvida o Sr Artur era o maior responsável por essa união.
    Um bem haja é um beijinho (só um) como o próprio pedia 😊

    Reply

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

À Maneira de Andreia Moreira

A paralisia cerebral foi-lhe diagnosticada. Vinte e oito anos depois, Andreia Moreira, é psicóloga...

Pedido de desculpa: Marcos Ferreira

O meu nome é Marcos Rafael Sousa Ferreira, sou Lousadense, casado, pai de uma criança com 16 meses...

Nota de Imprensa: Recandidatura de Ana Leal Moreira à Presidência da JSD Lousada

“Passado, Presente, Lousada.” Sou recandidata à Presidência da JSD Lousada. A maior e melhor...

Custou mais de 700 mil euros e divide opiniões: Central de Autocarros está encerrada

Está encerrada a construção de um dos empreendimentos mais falados da atualidade, a Central de...

Luís Machado: O cantor popular

Luís Paulo da Silva Machado Pacheco, com 51 anos, nasceu e cresceu em Pias. Desde cedo, começou a...

O 6º aniversário do Moto Clube Senhora Aparecida 

O Presidente, Pedro Rodrigues, e o Presidente da Assembleia, João Carvalho concederam  uma...

Falecimento de Paulo Afonso da Cunha (Carvalheiras)

Faleceu hoje, com 93 anos, antigo vereador da Câmara Municipal de Lousada, fundador da Associação...

Um dos serviços mais antigos de Lousada: Táxis vivem tempos de incerteza

A praça de táxis lousadense é composta por 11 automóveis, divididos por dois locais: cinco na Rua...

Masters da Associação Desportiva de Lousada:  Os Campeões de Série

Antero Correia, o diretor dos Masters, Pedro Leal, o treinador dos Masters e Hélder Nunes, o...

Editorial da edição 89º de 19 de janeiro de 2023

Lousada, terra amada! O jornal O Louzadense é, já, património da história local. A maturidade...

Siga-nos nas redes sociais