por | 24 Mar, 2023 | Opinião

Ser Mulher
  1. Os talentos e as competências das mulheres têm o mesmo reconhecimento fora de Portugal?

Flávia Sousa: Infelizmente, existe um maior reconhecimento do talento e das competências das mulheres fora de Portugal. Ao longo destes anos de carreira sempre senti ser mais reconhecida e valorizada fora de Portugal. Existem mais oportunidades para progressão contínua anual na carreira, mais financiamento também, valorização laboral e um excelente balanço entre a vida pessoal e profissional.   

  1. Ser mulher, e não homem, ajuda ou prejudica na construção de uma carreira, ou na materialização de um projeto?

Flávia Sousa: Ser mulher continua a ser prejudicial na construção de uma carreira. Infelizmente ainda existem discrepâncias salariais graves relativas ao género e é difícil para uma mulher conseguir conciliar a vida pessoal com a vida profissional competitiva que existe na ciência. As posições de chefia e de poder ainda são maioritariamente ocupadas por homens e eu sinto que é muito desafiante conseguir alcançar essas posições. Na academia, existe muita competição e não se pode parar de publicar, escrever projetos e arranjar financiamento. O crescimento de uma mulher na ciência ainda é mais lento do que o de um homem porque, por exemplo, uma licença longa de parto pode ser prejudicial para materializar um projeto. Contudo, nos últimos anos e fora de Portugal já começam a existir alguns projetos dedicados apenas a mulheres cientistas, como é o caso do projeto que ganhei no ano passado no Adolphe Merkle Institute (Suíça). É um projeto para 2 anos que é exclusivo para mulheres cientistas. 

  1. Como manter o foco no que realmente deseja e manter-se atualizada com o mercado?

Flávia Sousa: O meu principal foco é a minha paixão pelo trabalho que faço. Não sinto que trabalhe durante os meus dias mas sinto que estou a trabalhar para um bem maior, para deixar uma marca neste mundo. Até pode nem acontecer mas, pelo menos, dei o meu melhor e tentei. E é nisso que me foco nos momentos mais difíceis. Acredito que tenho um propósito de vida e é por ele que luto diariamente.  Para me manter atualizada com o mercado leio bastantes artigos científicos, tenho reuniões com colaboradores de outros laboratórios internacionais e vou a conferências internacionais.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Portistas comentam eleições no FC do Porto

MAIORIA DEFENDE MUDANÇAS Nem só os partidos políticos estão em campanha eleitoral. Também o...

Bombos femininos crescem em Lousada

AS “BOMBÁSTICAS DE AVELEDA” No final do desfile do Carnaval de Lousada, todas aprumadas na...

“Câmara recusou sistema de rega inovador” (DR)

Ao abrigo do disposto nos artigos 24.º e 25.º da Lei da Imprensa, aprovada pela Lei n.º 2/99, de...

70.º aniversário do nascimento de um Grande Louzadense

MÁRIO FERNANDO RIBEIRO PACHECO FONSECA (1954-2012) «Gosto tanto de Lousada, que nela gosto de tudo...

Skaters queixam-se de perseguição da polícia Municipal para deixarem a “mítica” Praça do Bispo

FAMA DO LOCAL ONDE NASCEU O SKATE LOUSADENSE JÁ CHEGOU AO ESTRANGEIRO O fenómeno do skate...

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Siga-nos nas redes sociais