por | 5 Mai, 2023 | Associativismo, Sociedade

Associação Cultural e Recreativa do Rancho Folclórico S. Pedro de Caíde de Rei

Joaquim Teixeira, de 57 anos, concedeu uma entrevista na qualidade de Presidente da Associação Cultural e Recreativa do Rancho Folclórico S. Pedro de Caíde de Rei. Esta surgiu de maneira ocasional e a sua fundação é datada a 8 de dezembro de 2002. Com mais de 20 anos de história, encontram-se com dificuldades em arranjar elementos do género masculino. Conheça melhor esta associação que mantém vivas as tradições dos nossos antepassados. 

A Associação Cultural e Recreativa do Rancho Folclórico S. Pedro de Caíde de Rei foi criada por mero acaso, na medida em que a ideia surgiu aquando dos ensaios para o S. Pedro. Na altura, algum elemento afirmou: “vamos aproveitar este trabalho e fundar um rancho”. Deu-se o cortejo e, após 2 semanas, a afirmação citada foi relembrada.

Posto isto, todos os membros do cortejo decidiram iniciar a associação. No entanto, mais indivíduos juntaram-se para concretizar a ideia. A 8 de dezembro de 2002 foi apresentada à freguesia e, a partir de então, o trabalho nunca parou. 

O nascido e criado em Caíde de Rei, Joaquim Teixeira, não esteve incluído na fundação. “Fui convidado em 2004 para integrar o rancho”, sublinha. Após a sua entrada, houve uma reunião com o intuito de formar direção. Assim sendo, assumiu o cargo de Presidente da Assembleia. 

Segundo o próprio, o rancho não estava a ser eficiente nas diversas tarefas e aquando da sua entrada começou a trabalhar de forma a melhorá-lo. Naturalmente, em conjunto com os restantes elementos diretivos. 

Corria o ano de 2007 quando pensaram em pertencer aos quadros da Federação do Folclore Português. Desde então, tornaram-se sócios aderentes da mesma e trabalharam rumo à federação que acabou por se concretizar a 10 de maio de 2010. 

O rancho continuou o seu caminho e, Joaquim, decidiu sair pois já tinha cumprido a sua verdadeira missão: ajudar a alavancar a associação. Colaborou, deu o contributo … em prol do objetivo de entrar na FFP. Dada esta concretização e a sua atividade profissional exigente, deixou a associação. 

Contudo, o amor move tudo. Após 7 anos fora, em 2017, voltaram-no a convidar para integrar novamente a associação. No ano de 2018, houve eleições e o lousadense foi eleito como Presidente, onde se mantém até ao dia de hoje. “O mandato é bienal e era para ocorrer eleições em março de 2020, mas devido à pandemia não houve”, conta. 

Como referido, Joaquim aceitou o convite pois a sua presença estava a ser precisa e, além do mais, o carinho ao folclore e à freguesia foram os responsáveis por voltar ao rancho. “Não queria que a associação perdesse um estatuto de grande valor”, salienta. 

A associação encontra-se sediada na antiga Escola Primária de Pereiras, desde 2013. Todavia, passou por vários locais até se estabelecer definitivamente. Esta começou na antiga Escola de Caíde, porém, os pavilhões estavam a ser destruídos e mudou-se para os Bombeiros de Caíde de Rei. Posteriormente, existia uma quinta que estava abandonada e os elementos diretivos pediram ao proprietário para ceder o beiral desta. Após 4 anos, foi para o Cais Cultural de Caíde de Rei, onde se manteve durante 4 anos. Entretanto, a Câmara Municipal de Lousada fez o Centro Escolar e as antigas escolas ficaram vagas. “Posto isto, a autarquia decidiu entregar os espaços vagos às associações, com todas as despesas a cargo das mesmas”, explica. 

Existe, todos os anos, o Plano Anual de Atividades que inclui feiras à moda antiga, desfolhada, magusto, sementeira do linho e do centeio … Naturalmente, este foi delineado no final de 2022. Todavia, podem surgir novos eventos e atividades a convite. 

Sempre que ocorrem as Festas em Caíde de Rei marcam presença. Para mais, todos os anos realizavam um festival totalmente organizado pela associação, datado no 2º fim-de-semana de julho, independentemente do dia. Contudo, desde 2020, este não é feito e só será retomado no próximo ano pois neste ano ainda não estão reunidas as condições para que tal aconteça. 

A associação convida outras culturas folclóricas para visitar a freguesia e o concelho. “Trazemos grupos do mesmo género e temos a preocupação e consideração de todos os anos variar a escolha das mesmas”, conta. O propósito é convidar ranchos de várias zonas diferentes do país. 

Questionado sobre as maiores dificuldades, de imediato, refere que trata-se de arranjar elementos masculinos para integrar o grupo seja a dançar como a tocar. Atualmente, pertencem 25 elementos à associação e 90% destes são mulheres. Conforme o próprio, não é fácil colmatar este problema mas pede ajuda a todos os lousadenses para que a associação perdure. A faixa etária mais incidente é dos 50 anos de idade para cima. 

Joaquim declara que a importância da associação para o concelho é de elevado valor devido a várias razões: pelo que são, pelo que fazem, pelo que mostram. Neste sentido, apela que os habitantes de Caíde de Rei se unam e ajudem e, aliás, todos os lousadenses, pois a associação abrange todas as freguesias. 

“As nossas perspetivas de futuro é que apareça, principalmente, elementos masculinos mas não só”, finaliza Joaquim Teixeira bastante ciente que o trabalho da associação irá progredir por bons e largos anos. 

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Conferência do PSD Lousada debateu estratégias e financiamento para o Desenvolvimento Local

Na noite de 18 de julho, o Auditório da COPAGRI em Lousada foi palco da conferência...

“Toda a glória do mundo é transitória”

JORGE NETO, ADVOGADO E POLÍTICO O lousadense Jorge Manuel Ferraz de Freitas Neto, de 67 anos, é um...

Associação dos Voluntários de Caíde de Rei Celebra 34.º Aniversário com Evento Memorável

A Associação dos Voluntários de Caíde de Rei comemorou, ontem, o seu 34.º aniversário com uma...

Queixas ambientais morrem num emaranhado de burocracias e “procedimentos duvidosos”

A (DES)ORDEM NO RIO MESIO (PARTE 2) Esta é a segunda parte da reportagem d'O Louzadense sobre um...

AD Lousada não se vai coligar com SAD Lank

FEDERAÇÃO NÃO AUTORIZA O “CASAMENTO” Estava tudo bem encaminhado entre as partes para que a junção...

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Siga-nos nas redes sociais