por | 24 Set, 2023 | Cultura, Toponímia Louzadense

Praça D. António de Castro Meireles

No coração da Vila, esta praça está circundada pela praça da República, rua Visconde de Alentém e avenida Sá e Melo. Ali fez história uma antiga loja de miudezas entretanto desaparecida, a Casa Primavera, e também foi morada, durante algumas décadas, da estação de Correios de Lousada. Um reparo: as placas toponímicas ali existentes deveriam ser corrigidas pois além de não ter a referência “Bispo”, o nome tem prefixo “Dr.”  quando devia em rigor ser somente “D.” por referência ao título eclesiástico do protagonista.

António Augusto de Castro Meireles nasceu a 15 de Agosto de 1885 na freguesia de São Vicente de Boim, concelho de Lousada, filho de Raimundo Duarte Meireles e Delfina Moreira de Castro.

Fez os estudos preparatórios no Seminário dos Carvalhos e os estudos secundários no Colégio de Nossa Senhora do Carmo, em Penafiel, ingressando depois no Seminário do Porto, onde concluiu o curso de Teologia no ano de 1903, sempre com alta classificação. Foi ordenado padre a 22 de Abril de 1908.

Ingressou depois na Universidade de Coimbra, onde se formou em Teologia e Direito no ano de 1912. Aluno distinto, obteve o Prémio Cardeal D. Américo, galardão atribuído ao melhor aluno da Diocese do Porto.

Terminados os seus estudos, para além das funções eclesiásticas, dedicou-se à advocacia, abrindo banca de advogado na cidade do Porto, ganhando fama pelas suas qualidades forenses.

Nas eleições gerais de 1915, o então padre António Augusto de Castro Meireles conseguiu ser eleito pelo círculo de Oliveira de Azeméis, sendo então o primeiro e único deputado dos grupos políticos católicos a ter assento no Congresso da República. Entretanto foi nomeado professor de Teologia no Seminário do Porto e agraciado com o grau de oficial da Ordem de Cristo.

Foi ordenado Bispo de Angra do Heroísmo e depois Bispo do Porto onde a 21 de Julho de 1929 sucedeu a D. António Barbosa Leão, governando aquela diocese até ao seu falecimento a 29 de Março de 1942.

É deste insigne lousadense a única estátua existente na vila de Lousada, erigida em 31 de Julho de 1955, no sopé do Monte do Sr. dos Aflitos.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais