por | 30 Nov, 2023 | Dar voz aos livros, Opinião

O Organista de Lídia Jorge: Uma fábula musical sobre a criação do universo.

O Organista de Lídia Jorge, livro publicado em 2014, é uma fábula sobre a criação do universo. Na verdade, tal como esclarece o Padre Anselmo Borges ,«quando se trata dos grandes enigmas e mistérios – donde vimos, para onde vamos, questões do bem e do mal, por que razão há algo e não há nada, qual o sentido último de tudo, a questão de Deus -, não se deve pedir a um filósofo ou a um teólogo (não são os melhores), deve pedir-se a um artista. Afinal, O Organista é que sabe falar do essencial, das perguntas essenciais. Porque é um Poema em Música» (Livro Escritaria 2014, pág. 18).

Em O Organista, o aparecimento, ou reaparecimento do Criador, insurgindo-se na festa do homem e da mulher, transportou consigo a percepção do tempo e do espaço, o homem perdeu a inocência e tomou consciência da sua finitude e da sua pequenez face à (in)finitude do cosmos. O vazio foi anulado pela luz  que, pelo sopro inigualável do Criador, se tinha expandido pelos quatro cantos do universo. A distância entre Criador e criado, porém, eram tão grandes, que se tornaram obscenas, atendendo à pobre humanidade. Tempos sobre tempos terão de passar para que o homem se sente de novo, agora consciente, tocando o órgão. Assim, à inocência inaugural, sucede a inevitável consciência infeliz que se apresenta, nesta obra, pela impossibilidade do homem anular a sua finitude, avançando lentamente no tempo, numa evolução tão lenta que o arrasta pelos tempos «Biliões de anos, de triliões de anos passariam, desde que o Criador disse ao homem: Vem!» (O Organista, pág. 39).

O Organista é, com efeito, uma fábula sobre a criação do universo, e nela somos colocados numa espécie de confronto com o enigma da criação. O problema de Deus é-nos colocado depois do aparecimento do homem, já que é a ele, nas palavras de Vergílio Ferreira, «ao ser frágil e infinitamente breve que ele é, que se reverte toda a vertigem do mundo». Há como que uma indecifrável presença anterior a tudo e ao próprio tempo: «Sim, a primeira nota executada pelo Criador era, para todos os efeitos, um som próprio da música que o homem havia tocado, tinha a mesma natureza (…)» (O Organista, pág. 29).

A fábula que Lídia Jorge nos propõe, parece-nos revelar uma identificação com a interrogação original, na suspeita de uma presença totalizadora que o homem pós-moderno perdeu e que, incessantemente, continua à procura. Na síntese luminosa de Vergílio Ferreira, «é na dimensão do sagrado que se situa o espanto (…), o senso do mistério, a indefinida suspensão com que reagimos à estranheza do universo, do enigma que o funda, dos seres que o povoam, do homem».

Conceição Brandão

Professora

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Jantar-Comício do Partido CHEGA traz André Ventura a Lousada

O Presidente do Partido CHEGA, André Ventura, marcará presença no jantar oficial de campanha do...

Santuário de São Gonçalo de Lustosa

Lustosa é uma parcela do concelho de Louzada que gosto de percorrer e apreciar, mormente a...

Professor de artes é “artista de horas livres”

Joaquim Alexandre Ribeiro: A moldar lousadenses pela arte O professor Joaquim Alexandre Nunes...

Amanhã virás Sol, amanhã virás

ABRIL LOUZADENSE (IX) Um dos maiores vultos portugueses da luta contra a ditadura foi o...

O verdadeiro voto útil e a matemática do “Chega” para lá

Dúvidas ainda houvesse sobre a importância do projecto da Aliança Democrática (AD) e da...

Siga-nos nas redes sociais