por | 10 Dez, 2023 | Opinião, Sociedade

75.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos

No dia 10 de dezembro de 1948, em Paris, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH). O documento que estabeleceu, pela primeira vez, os direitos humanos fundamentais a serem protegidos universalmente, celebra hoje o seu 75.º aniversário. 

Aproveitamos esta data para refletir sobre os desafios que a DUDH enfrenta na sua plena implementação e, porventura, sobre alguns dos obstáculos que possam persistir para futuro. 

As promessas de dignidade e igualdade de direitos, consagradas pela DUDH, têm sido alvo de ataques incessantes nos últimos anos. À medida que o mundo enfrenta novos e contínuos desafios, como pandemias, conflitos, disparidades sociais, racismo, mudanças climáticas, os valores e direitos estabelecidos na DUDH continuam a servir como orientações fundamentais para as nossas ações coletivas, assegurando que ninguém fique para trás.

No entanto, os (novos) tempos apresentam-se preocupantes com a crescente polarização e fragmentação política, em diversas partes do mundo. Assistimos ao crescimento de regimes políticos que podem perigar a ideia de que todos os seres humanos são dotados de direitos inalienáveis, independentemente de sua origem, raça, religião ou qualquer outra característica.

A tecnologia, normalmente associada ao desenvolvimento das sociedades, ainda que benéfica, pode igualmente perigar os propósitos da DUDH, designadamente ao nível de questões sobre a privacidade, a segurança cibernética e o uso indevido de informações pessoais. Todos estamos expostos ao mundo digital. É quase impossível não ter uma pegada digital. O desafio passa por garantir que a tecnologia seja um aliado na promoção dos direitos humanos, em vez de uma ameaça. 

As crescentes desigualdades socioeconómicas, sejam por motivos de conflitos ou oriundas de sistemas políticos e financeiros instáveis, representam mais um desafio contínuo à promessa de igualdade consagrada na DUDH. A luta pela equidade é uma utopia, quando a cooperação entre países não enfrenta as raízes estruturais das desigualdades, parecendo que, por vezes, até delas se alimentam. 

A ameaça emergente das mudanças climáticas, especialmente em comunidades vulneráveis e exponencialmente mais expostas à degradação ambiental, tem impacto direto nos direitos humanos e coloca em risco o direito à vida, à habitação e à segurança.

Uma infinidade de desafios que urge amenizar através do envolvimento direto dos jovens, nas diversas comunidades. O seu ativismo pelos direitos humanos, a colaboração à escala global, a inovação e o comprometimento com os valores fundamentais da humanidade são essenciais para assegurar que os próximos capítulos da história dos direitos humanos sejam marcados por progresso e não por retrocesso.

Carlos Manuel Nunes

Diretor O Louzadense


FOTO: Eleanor Roosevelt segura um cartaz com a Declaração Universal dos Direitos Humanos reproduzida em inglês, em 1949. FONTE: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Eleanor_Roosevelt_UDHR.jpg

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

”Faz falta uma feira do livro”

GONÇALO SANTOS, ESCRITOR Chama-se Gonçalo Teles dos Santos, tem 44 anos, é natural de Sousela e...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XVI | Elementos Decorativos II Os elementos decorativos, concebidos quase sempre em...

O discreto gigante da democracia lousadense

E DEPOIS D'ABRIL? [3] Lousada teve muitas pessoas de proa que embora sendo contra o regime...

Fim de Semana Cultural “Alma Magnetense” está de regresso

A Junta de Freguesia de Meinedo anuncia o regresso do Fim de Semana Cultural "Alma Magnetense",...

Siga-nos nas redes sociais