por | 11 Dez, 2023 | Canto do saber, Opinião

Um Natal apontado à atomização

Estamos em dezembro, o frenesim apontado às festas do Natal e de fim de ano recrudesce. A ansiedade pelo sentir próprio desta altura do ano, seja ele qual for, é imensa: talvez não haja outra altura do ano que se compare a esta no que toca a emoções.

Acrescem, no nosso País, as emoções que se relacionam com a dissolução da assembleia da república e consequente ida às urnas. Multiplicam-se as movimentações dos diversos partidos, com particular destaque para o que ocupou o poder nos últimos anos. A sua preparação eleitoral implica a escolha de um novo líder. Algo que nem é mau, na medida em que aumenta o espaço mediático que ocupa, levando a que os outros tenham de encontrar formas de o disputarem, algo que não se afigura fácil, mesmo que, por momentos, alguns parecem conseguir.

Este tipo de emoções, gera, também, ansiedade, a qual, no entanto, é mitigada pelas festas, para voltar a todo o vapor no princípio do ano. A indeterminação, desta vez, talvez seja maior. Porém, ela não terá tanto a ver com o vencedor, mas sim, com a forma de constituição do poder na próxima legislatura. A atomização parlamentar parece ter cá chegado para ficar, o que obriga a arranjos, que apesar das inúmeras juras de possibilidade ou não, de coligação, ou apoio parlamentar, ainda não se mostram muito claros. Nada se poderá descartar, tal como a moda da dispersão partidária, a moda de elaborar coligações improváveis e ação política que já não esconde o verdadeiro objetivo do político – o poder – é uma realidade a que nos vamos habituando neste ocidente onde se propala a democracia dita liberal. Apesar disso, a verdade é que essa realidade não tem idade suficiente para o seu estudo poder fornecer resultados que possibilitem alguma conclusão – se é que alguma vez vai ser possível – sobre o efeito da dispersão parlamentar.

Ao contrário daquilo que parece ser a intuição de muitos, uma, aparente, maior representação nos parlamentos por essa Europa fora, não tem significado conquista de direitos, pelo contrário, tem, até, de acordo com Ian Shapiro [1] (um afamado cientista político de Yale) contribuído para a erosão de uma série deles.

É verdade que a perceção do povo português relativamente à última maioria absoluta – ou até, se calhar, a qualquer uma delas – não é a melhor, no entanto, parece também ser claro que a tomada de decisão atempada e efetiva  não é compatível com um parlamentarismo tão alargado. Este é um argumento dos antiparlamentarismos defendidos, por exemplo, entre outros, por Carl Schmitt [2] (não, não foi um pensador nazi) e Walter Benjamin[3], já há 100 anos. Todavia, o perigo totalitário obriga a algum tipo de controlo representativo: talvez o envolvimento do povo tenha de ser maior. Maior não em termos de quantidade, mas sim, em responsabilidade: o escrutínio popular deve apontar ao amadurecimento ético no seu relacionamento com as instituições.

Eduardo Silva

Eng.º Civil

——————————————-

1. Rosenbluth, F.M., e Shapiro, I. (2018) Responsible parties: saving democracy from itself, Yale University Press, New Haven London.

2. Schmitt, C. (1996) A crise da democracia parlamentar, Editora Página Aberta, São Paulo.

3. Benjamin, W. (2010) Sobre a crítica do poder como violência, in O anjo da história, Assírio & Alvim, Lisboa, pp. 49–71.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Conferência do PSD Lousada debateu estratégias e financiamento para o Desenvolvimento Local

Na noite de 18 de julho, o Auditório da COPAGRI em Lousada foi palco da conferência...

“Toda a glória do mundo é transitória”

JORGE NETO, ADVOGADO E POLÍTICO O lousadense Jorge Manuel Ferraz de Freitas Neto, de 67 anos, é um...

Associação dos Voluntários de Caíde de Rei Celebra 34.º Aniversário com Evento Memorável

A Associação dos Voluntários de Caíde de Rei comemorou, ontem, o seu 34.º aniversário com uma...

Queixas ambientais morrem num emaranhado de burocracias e “procedimentos duvidosos”

A (DES)ORDEM NO RIO MESIO (PARTE 2) Esta é a segunda parte da reportagem d'O Louzadense sobre um...

AD Lousada não se vai coligar com SAD Lank

FEDERAÇÃO NÃO AUTORIZA O “CASAMENTO” Estava tudo bem encaminhado entre as partes para que a junção...

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Siga-nos nas redes sociais