por | 5 Jul, 2024 | Política, Sociedade

Das negociatas às escondidas aos “ovos no mesmo cesto”

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE LOUSADA

Ficou claro na Assembleia Municipal de quinta-feira que a pista dos desportos motorizados vai continuar na Costilha. “Está por um fio”, afirmou o presidente Pedro Machado sobre a conclusão das negociações, que a oposição diz que decorrem “às escondidas”. Em contraponto, Leonel Vieira (PSD) vê na decisão uma solução “de vistas curtas, sem arrojo nem ambição”. Defende que Lousada precisa dum complexo do desporto automóvel. Na Costilha não há espaço para isso. De espaço também se falou acerca doutro investimento avultado, o Multiusos. Não se vislumbra para curto ou médio prazo. Nem o local está decidido. Perto da Vila seria excelente para a economia local. Mas na periferia cabiam mais automóveis e ruído.

Confiante de que vai ser uma “boa solução para Lousada” e que vai “defender o interesse público”, Pedro Machado anunciou que está para breve a conclusão dos projetos de requalificação da pista da Costilha e urbanização das zonas envolventes. Morreu à nascença a ponderação de uma localização da pista noutro local.

Perante isto, o líder da oposição Leonel Vieira passou ao ataque, acusando o presidente da Câmara de não ter “genuinamente vontade de estudar outras alternativas para uma nova pista e instalar outros equipamentos, um complexo do desporto automóvel, com museu do desporto motorizado, um hotel temático, restaurante, bares e ainda terrenos para atrair investimento de empresas no setor do automóvel e até na formação automobilística”. Ao mesmo tempo, Leonel advoga que “o ruído das provas, a afluência de automóveis e pessoas a uma área que será densamente urbanizada” serão prejudiciais para a organização de provas na Costilha a médio e longo prazo.

Nesta perspetiva, acusou o executivo de ter “vistas curtas” e de “pensar pequenino, sem ambição e com isso, não tenho dúvidas, está a hipotecar o futuro do desporto motorizado em Lousada”. O social-democrata enfatizou que “não deve decidir com base na emoção e nalguns interesses circunstanciais” e asseverou que “um presidente de câmara que esteja mesmo genuinamente preocupado com o futuro do seu município tem que saber ouvir planear e executar, não em função de interesses particulares e ou corporativos” mas em prol do bem público.

Refutando as acusações de que está a negociar os terrenos e respetivas infraestruturas “às escondidas”, Pedro Machado contra argumentou, dizendo que o pedido de “uma discussão pública sobre o desporto automóvel em Lousada é folclore”, e assegurou que ponderou outras soluções para a pista, mas está convencido de “ter optado bem”. E dirigindo-se a Leonel Vieira disse: “você, daqui a uns meses, vai acabar por me dar razão, eu aposto consigo”.

MULTIUSOS SEM VISTAS CURTAS NEM LONGAS

Não há vislumbres para o famigerado, necessário e ansiado pavilhão Multiusos de Lousada. Esta ideia trespassou em todas as intervenções neste órgão autárquico nas anteriores sessões e nesta não foi diferente.

Sobre o assunto, disse Leonel Vieira: “verifiquei que continua a admitir construir o Multiusos na «praça do românico», o que considero uma decisão tremendamente errada e tudo faremos para que não cometam esse erro grosseiro, como em tempo já aqui abordei numa sessão desta Assembleia”.

Voltou a sublinhar a sua reivindicação por um espaço multifuncional para grandes eventos desportivos, culturais, recreativos, feiras e congressos nacionais e internacionais, e outros eventos. Lamenta que “a Câmara e o seu executivo socialista sempre entenderam que não era uma prioridade para Lousada” e reiterou que “o Multiusos deveria ter sido um dos primeiros equipamentos a ser construído no Complexo Desportivo”.

Por último, espera “ambição, arrojo e determinação para construirmos um Multiusos que seja uma referência nacional e internacional” e que não deve ser visto como “uma despesa” mas como um investimento “que trará inevitavelmente retorno financeiro”.

Junto às Pocinhas ou ao Complexo Desportivo são localizações que se aventam. Mas datas não há. Nem se avizinham. Dinheiro para investir também não. Para isso, diz o presidente da autarquia, teria que ser necessário abdicar de outros investimentos e apostar no Multiusos.

Estimando que o custo de tal obra rondaria os 11 milhões de euros, Pedro Machado diz que a Câmara tem esses fundos, mas “não podem ser usados no Multiusos porque há uma série de metas que temos que atingir e, portanto, ainda que fosse possível alocar os 11 milhões para o Multiusos, não faz sentido colocar os ovos todos no mesmo cesto”. Questionou se “acham bem esgotar toda a capacidade de endividamento do Município para dizer que temos o Multiusos?”.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais