por | 2 Dez, 2019 | Opinião, Pedro Amaral

“Quando as pessoas são livres de escolher, geralmente escolhem ser livres.” Margaret Thatcher

Esta semana Portugal voltou a relembrar uma das datas que, como outras, marcou a sua história nacional recente, o dia 25 de Novembro de 1975. Data sobre a qual muito se tem dito de um extremo ao outro do espectro político e da sociedade civil como um todo. Se para uns representa a barreira onde esbarrou a liberdade protagonizada pelo processo revolucionário, para outros simboliza a correcção democrática necessária para a persecução dos verdadeiros valores de liberdade saídos de Abril de 74.

Mas será que temos sido completamente justos na análise que temos feito dos acontecimentos desse dia? Será que temos ponderado seriamente sobre as pessoas que envolveu e consequentemente sobre as vidas que tocou?
O dia 25 de Novembro de 1975 não representa, ao contrário do que actualmente uma esquerda mais radicalizada nos pretende fazer crer, uma traição aos valores de Abril, antes simboliza a sua inevitável concretização (ainda que tardia).

A história de um país faz-se, tal como a história de cada um de nós, num seguimento ininterrupto de experiências que nos molda, tornando-nos naquilo que somos no presente. Negar uma parte da nossa história é negar, necessariamente, uma parte de nós.

É verdade que só vivemos, hoje, numa Democracia Constitucional porque os militares do MFA se mobilizaram, em Abril de 74, contra a ditadura e a repressão. Tal como, só me é permitido escrever este artigo sem constrangimentos ou reservas porque Portugal viveu um processo revolucionário advindo dessa data. Mas, certo é também que Portugal só se tornou no espaço de tolerância, democracia e liberdade que conhecemos, porque em Novembro de 1975 um grupo de militares moderados conseguiu evitar uma nova consolidação de extremismos radicais e assim, levar a cabo a transição pacífica desse Processo Revolucionário para o Processo Constitucional.

Mas, lembrar o 25 de Novembro é não só lembrar este percurso ininterrupto e aquilo que dele adveio, é também lembrar as pessoas que dele tomaram parte. Os políticos, mas sobretudo os militares moderados que colocaram de parte as suas diferenças, ideologias, patentes e inclinações pessoais com o objectivo comum de não defraudar Portugal nem a liberdade alcançada em Abril, aliás para isso juraram ser soldados.
Por tudo isso, lembrar este legado (de história e de pessoas) constituiu o mais alto exercício patriótico porque nos permite recordar quem fomos, aquilo que quisemos ser e o que para futuro seremos, reflectindo sobre a totalidade do processo democrático do nosso país sem medo, sem restrições, sem reservas e sem preconceito ideológico ou político.

Em suma, no dia 25 de Abril de 74 Portugal tornou-se livre para escolher. E com essa liberdade escolheu, em Novembro de 75, ser só isso… Livre.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Siga-nos nas redes sociais