Padarias e pastelarias regressam à normalidade

As padarias e pastelarias puderam manter-se abertas durante o estado de emergência para assegurar a distribuição do bem essencial que é o pão. No entanto, o serviço de cafetaria esteve suspenso, voltando agora a funcionar, mas com novas regras de segurança para evitar contágios.

José Silva, da Pastelaria Catarina, em Lousada, contou-nos como viveu os tempos de emergência nacional e como o seu espaço se está a adaptar às novas circunstâncias.

Como se refletiu este problema na sua empresa?

Eu fiquei surpreendido com o que se estava a passar, mas temos de nos habituar a estas surpresas, temos de aprender a viver com isto. Desta vez o impacto foi mais forte, mas temos de seguir em frente.

Que consequência teve para a sua pastelaria?

Na minha padaria, senti bastante, pois os serviços públicos e privados fecharam e a minha clientela frequentava esses serviços. Quanto à padaria, na qual sou responsável pelo fabrico, a queda foi menor porque nós temos dois produtos: pastelaria e padaria. Onde se sentiu mais foi na pastelaria, que caiu um bocadinho. É uma padaria sólida, por isso acho que suportará este problema.

Como vê o futuro?

Futuramente, eu vejo as coisas com otimismo. Eu estou preocupado, mas é um problema de todos. Com um pouco de fé e esperança, acho que vai correr tudo bem, tirando aqueles que, infelizmente ficam pelo caminho. Acho que vamos ultrapassar este problema, que nos está a afetar a todos.
Quanto aos negócios, reconheço que isto estava tão em cima em todos os setores que não caímos, ficamos a meio e agora vamos levantar-nos de novo. O importante é o convívio e termos saúde. Estou convencido que os cientistas vão conseguir a vacina e vamos voltar a ser felizes como éramos até agora.

O que teve de mudar no seu dia-a-dia?

Adiantamos um pouco as férias. Falei com os funcionários para eles irem gozando alguns dias de férias. Eu tive sempre a opinião, de que no mês de março, abril e maio iríamos ficar um pouco incomodados. Eu penso, que a partir de junho vamos todos aprender a viver com este problema e temos de recomeçar a trabalhar. Não é só pelo dinheiro, porque faz parte da nossa vida trabalhar. Não podemos estar à espera que os cientistas resolvam o problema. Todos com cuidado temos de começar a nossa vida ativa. Quanto ao pessoal que trabalha cá, são pessoas com alguns anos e sabem que este problema não é um problema desta empresa, é do mundo. Está tudo a trabalhar menos um bocadinho, mas o suficiente.

Notou alguma diferença neste primeiro desconfinamento?

Não, ainda não notei, mas espero que a partir da próxima semana comece a notar-se, porque também é incómodo estar muito tempo sem servir um cliente. Eu espero, que a partir do dia 18, a restauração possa trabalhar e os clientes regressem. Vamos começar devagarinho porque não há outra maneira de ser. Quando temos um tombo assim, só devagarinho é que conseguimos voltar a ficar de pé.

Em relação ao setor, tem conhecimento de alguns problemas no nosso concelho?

Não tenho conhecimento de ninguém em lay-off ou que tenha fechado portas. Quanto às perdas de vendas, todos sofremos.

Sentiu que as pessoas tinham medo de ir comprar o pão?

Não, nunca senti. Senti apenas, que as pessoas andavam assustadas com o problema.

Que estratégia acha que governo deveria proporcionar a este setor da panificação?

Uma medida que o governo podia estabelecer seria, principalmente, não deixar aumentar os cereais, que aumentaram em janeiro, em março e querem de novo aumentá-los. Há um mês aumentou o preço porque havia falha de cereais, estávamos em rutura. Eu creio, que o governo se devia impor para o pão, que é um bem de primeira necessidade, se mantiver o preço que está, já será bom. Se isto continuar, eu acho que vai ter que aumentar. É um bem de primeira necessidade que começa a ficar mais caro e torna mais difícil a sobrevivência das pessoas.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Um pioneiro da comunicação regional

Rafael Telmo da Silva Ferreira, professor e diretor da Valsousa TV Em setembro faz 25 anos que...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XII | Capela II A capela podia ser levantada por forma a dar seguimento à fachada da...

Siga-nos nas redes sociais