por | 26 Mar, 2023 | Espaço Cidadania, Sociedade

Joaquim Nunes Teixeira: O cidadão humilde

Joaquim Nunes Teixeira, de 89 anos, é natural e ainda residente da freguesia de Cristelos, porém, passou por vários locais dada a sua profissão. Filho de lavradores, aplicou todos os ensinamentos na sua vida dedicada ao campo. No entanto, a sua atividade profissional direcionou-se para os Comboios de Portugal (CP), onde cumpriu 40 anos. Conheça a história deste cidadão. 

Bragança, Senhora da Hora, Novelas, Boim … foram zonas onde Joaquim viveu, mas numa fase da sua vida comprou terreno e construiu casa em Cristelos. A sua infância foi passada a jogar à sueca e a tocar instrumentos com outros rapazes novos, sobretudo, de sábado para domingo porque à semana trabalhavam ou estudavam. 

O lousadense completou apenas o 3º ano de escolaridade porque os progenitores desejavam que começasse a trabalhar. “Ajudei toda a vida no campo os meus pais até eles deixarem a atividade”, afirma. Estes eram lavradores e Joaquim sempre gostou deste trabalho e, hoje em dia, tudo o que sabe deve-se aos mesmos. 

“O meu pai era muito engraçado e bem disposto e quando comecei a ser maior ele disse-me para ir com ele até ao monte”, conta. Assim foi e iniciou a sua etapa de aprendizagem que, passados uns tempos, já sabia tudo e ia sozinho. Com 89 anos, em conjunto com a sua mulher, continua a não dispensar um bom quintal, referindo que neste não entre uma única máquina. 

Os seus progenitores eram de Lousada e tiveram 14 filhos, tendo o lousadense 13 irmãos. Como referido, no 3º ano abandonou a escola e até cumprir serviço militar obrigatório esteve a trabalhar com os pais. Aos 21 anos foi para a Tropa em Penafiel e completou o 4º ano no quartel pois havia a oportunidade de aumentar os estudos. “Aproveitei e acabei o 1º ciclo, ajudando-me a entrar nos Comboios de Portugal”, refere. 

Joaquim esteve 18 meses em Penafiel nos serviços de transmissão e, segundo o próprio, os seus superiores gostavam bastante de si. Posto isto, foi congratulado pelo seu bom comportamento e dedicação à unidade. O respeito fez sempre parte da índole do lousadense e, mesmo sendo um serviço obrigatório, não descurou. 

“Era soldado e nunca quis ser cabo, apesar das insistências, porque tinha de permanecer mais tempo na Tropa e também tinha que dar instruções aos novos recrutas e não queria”, confessa. A experiência foi incrível e não tem dúvidas que aprendeu bastante, pois, quando entrou pouco sabia e quando saiu era um homem mais sábio e completo. 

Posteriormente, entrou nos Comboios de Portugal (CP) e foi para Bragança durante 4 anos. Os primeiros 2 anos foi na condição de solteiro e os restantes na condição de casado, na medida em que casou pelo meio. “A minha mulher servia perto de onde eu morava e as maneiras dela cativaram-me”, acrescentando o facto de ser meiga, trabalhadora e organizada. No dia 18 de julho de 1959 aconteceu o matrimónio e a esposa foi consigo para Bragança. 

Durante este período, tiveram o primeiro filho. No meio da conversa, o lousadense recorda com carinho os vizinhos que eram uns autênticos amigos. “Às vezes saíamos e eles olhavam pelo nosso menino”, declara. Devido a este envolvimento, quando vieram embora toda a gente chorou. 

Joaquim havia pedido para sair de Bragança dado os custos de vida e mudou-se para a Senhora da Hora, em Matosinhos, onde permaneceu durante 16 anos A mulher e os filhos ficaram em Lousada e este vinha a casa frequentemente. 

Entretanto, veio para Cete, uma freguesia do concelho de Paredes. Manteve-se 20 anos, terminado o seu percurso profissional nesta. A sua função na CP nos 40 anos de serviço passou por organizar as manobras dos comboios e, apesar de gostar do que fazia, um inspetor queria levá-lo a fator e o lousadense com medo das responsabilidades não aceitou. 

“Eu pouco conhecia e não almejava mais e, hoje, sei que foi um erro. Aliás, cheguei a arrepender-me mas já foi tarde pois já não havia hipótese”, salienta com bastante lucidez.

Joaquim tem 4 filhos, sendo 3 rapazes e 1 rapariga. Para mais, tem 9 netos e 5 bisnetos. “Os meus filhos estão todos bem, os meus netos respeitam-me muito e os meus bisnetos são super queridos”, declara. A família numerosa é a sua alegria, sendo que todos os domingos visitam-no. 

Esta família abundante é sustentada pelo lousadense e pela esposa que completam 64 anos de casados no presente ano. De acordo com o próprio, dão-se muito bem e às vezes acontece “uma trovoada seca” que rapidamente é resolvida. “A minha mulher é muito minha amiga e, sem dúvida, somos o companheiro um do outro”, conta. 

A esposa já teve alguns problemas de saúde que foram ultrapassados com sucesso e pode afirmar-se que ambos estão bem de saúde. Todos os dias, à exceção dos dias que faz chuva, o casal faz a sua caminhada durante 1h30m. Para mais, passam muito tempo no quintal e veem alguma televisão. 

“Estive em vários locais, mas nunca me esqueci de Lousada pois esta vila é diferente das demais”, finaliza Joaquim Nunes Teixeira.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Um pioneiro da comunicação regional

Rafael Telmo da Silva Ferreira, professor e diretor da Valsousa TV Em setembro faz 25 anos que...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XII | Capela II A capela podia ser levantada por forma a dar seguimento à fachada da...

Siga-nos nas redes sociais